quarta-feira, 29 de julho de 2009

Estátuas

Umas férias no "Portugal profundo" dão-nos mais tempo para observar, com cuidado, o novo património escultórico que enxameia as localidades portuguesas.

Não coloco em causa a importância de dar trabalho a alguns esforçados artistas, mas confesso quee me sinto chocado pelo mau-gosto que impera em algumas cidades e vilas, frequentemente em locais com grande dignidade.

Dou o exemplo de uma terra a que estou muito ligado, Viana do Castelo: dois mostrengos estão a estragar, respectivamente, a intocável Praça da República e o Largo de S. Domingos. No primeiro caso, é uma feiíssima alegoria a uma temática brasileira. No segundo (vejam...) é uma figura a cavalo (parece um burro...), desproporcionada e monstruosa.

Não é possível lançar uma campanha nacional para abolir estes monos?

12 comentários:

Helena Sacadura Cabral disse...

Senhor Embaixador, compreendo-o perfeitamente. E só a sua delicadeza o poderá levar a chamar mostrengos - que, entre nós, ainda têm conotação histórica - aquelas lamentáveis figuras.
Mas, para seu consolo, lembre-se de que também houve um afamado escultor que brindou Lisboa com um não menos afamado "produto escultórico", ao qual não consegui, jamais (amo esta expressão), chamar de "obra"!

Margarida Pereira disse...

Hmmm... e umas fotos para aferir desse julgamento tão...contundente , não é possível?
Não duvidando (de todo!) era só para 'julgar conjuntamente'... :)
É que a arte pública faz tanta falta que, se ao recomeçarem estragam tudo, mais vale ficarmos como estamos...
Eu ainda tenho esperança.
Se não na arte, então em quê!?

Luís Bonifácio disse...

Cuidado com o que escreve, pois o Defensor "Hitler" de Moura não gosta daqueles que insultam a sua EUROPEÍSSIMA cidade.
Ele que teve tanto trabalho a proibir os vianenses de verem espectáculos portugueses como uma simples corrida de touros, vais ficar muito chateado a ver um senhor embaixador a dizer mal daquilo que faz viana uma cidade MODERNA e EUROPEIA, muito diferente daquelas terras andrajosas, atrasadas e portuguesas como Ponte de Lima, que tão atrasados são que nem sequer querem ser CIDADE e onde pasme-se se violam as boas regras da higiene sanitária ao permitir que cavalos e touros andem pelas ruas.


A ver se arranjo umas fotos dos mamarrachos
Aquilo é mais nojento que a estátua da mulher do cutileiro em Lagos.

editor69 disse...

Senhor embaixador,
mesmo não tendo visto as imagens,e imaginando na linha do que tenho visto por imensos sitios,desde já lhe digo que da minha parte, num sitio que se chama de praça da república, não vejo o que mais AINDA possa ser feito de feio!

Anónimo disse...

Pois, deste pessoal anti tadição é sempre de esperar tudo.
Quanto a Cutileiros, é Arte.
Agora rotundas e ferros é outro número.
Não confundir a estrada da Beira com a beira da estrada.

Anónimo disse...

Nao procuro saber de quem é o mérito mas que Viana do Castelo tem sabido manter-se moderna e guardar o seu cariz de cidade antiga é verdade. Jà quando era Viana da Foz do Lima esta vila tinha a sua importancia no Norte do Pais. Quanto às obras de escultura rarissimas vezes se encontra unanimidade de pontos de vista. Creio que foi um famosos pintor espanhol que disse que as pinturas (e é extensivo às esculturas)vivem do olhar dos seus admiradores...
Decerto neste muito proximo mês de Agosto tenho uma razao acrescida para visitar Viana e "botar" a minha olhadela mais atenta às esculturas em questao.
José Barros.

Helena Sacadura Cabral disse...

Arte?!

Anónimo disse...

Também fui picada pela curiosidade de visitar Viana e ver as referidas estátuas...

Isabel Seixas

Anónimo disse...

que mal há na temática brasileira? dá pra explicar?

Pedro Lopes disse...

os monos compram votos

Anónimo disse...

Porque será que ao manifestamos o nosso desagrado relativamente a trabalhos de artistas (ou arvorados em), parece que se mata uma vaca sagrada?! Será que os artistas são os únicos seres à face da terra que não têm dias maus? Que não têm fases em que as coisas lhes correm mal? Essa conversa de que tudo o que fazem (os tais artistas ou pseudo) é arte e quem não gosta é porque não sabe apreciar, é ignorante, inculto ou coisa do género, cheira-me a bafio travestido. Compreendo perfeitamente FSC. Também eu me sinto incomodado com certas coisas que teimam em impingir-me como arte.
Creio que ainda estará nos jardins da Gulbenkian um amontoado de móveis de madeira e colchões igual ao que resulta de um despejo ou demolição que eu, sinceramente, achei que resultava de mudanças do mobiliário. Não! É arte e chama-se casa!
Gosto de muita coisa de Cutileiro. De outras gosto menos e da que está no Parque Eduardo VII não gosto mesmo nada. Não sei se é para homenagear o 25 de Abril, se para aludir a um tipo de gente que, a determinadas horas, frequenta o Parque. Cutileiro devia estar num dos seus dias maus. Mas ele pode!
O que está em Viana não conheço, mas estou cheio de curiosidade, nomeadamente porque sei da tolerância de FSC às manifestações artísticas.
JR

Anónimo disse...

Se vissem uma "escultura" de um homem, com asas, de cabeça baixa, dependurado por qq coisa que penetra na carne na zona dos ombros, com uns 5 metros, talvez mais...a baloiçar no meio uma rotunda,,,cada vez que lá passo arrepio-me...para mim é uma homenagem à submissão dos madeirenses...para os iluminados é uma homenagem à liberdade...se por aqui passarem podem avistar umas "esculturas"...
gfaria