sexta-feira, 26 de junho de 2009

Circuitos

Num fim-de-semana, durante a reunião da UNCTAD, que teve lugar em Genebra no Verão de 1987, um grupo de delegados alugou um carro para um passeio fora da cidade. Íamos no caminho entre Genebra e Nyon, à borda do lago, quando a conversa derivou para o trajecto sinuoso da estrada em que rodávamos, através de localidades. Alguém referiu que certas partes do percurso eram mesmo bastante perigosas. Aí, um dos membros do grupo comentou: "E pensarmos nós que se faz aqui uma prova automobilística de tão grande importância...".

Nenhum dos outros comparsas de viagem fazia a menor ideia de que havia uma prova automobilística que passava por ali, pelo que pensámos que o nosso interlocutor se estaria a referir a algum rally. E, claro, pretendemos ser esclarecidos sobre o evento a que se referia.

O nosso homem - porque era um homem... - assumiu então um tom de connoisseur e, com ar de quem nos ia esmagar com a humilhante exposição do nosso tão óbvio desconhecimento, avançou: "Então vocês não sabem que passam por aqui as '24 horas de Le Mans'"?

Um ou dois segundos, para "digestão" mental da revelação, mediaram entre a frase e o coro de gargalhadas dos restantes viajantes. O lago à volta do qual passeávamos era o lago Léman, e o nosso interlocutor estava plenamente convencido que era nas estradas à volta desse lago que se disputavam as "24 horas de Le Mans". Ora Le Mans é uma localidade francesa a sudoeste de Paris...

Até ao final da viagem o nosso homem embatucou...

Há dias, ao passar por Le Mans, lembrei-me da história e também do facto de a Dra. Helena Sacadura Cabral, comentadora activa deste blogue, ter participado, pelo Banco de Portugal, nas reuniões preparatórias da delegação portuguesa àquela reunião da UNCTAD. Lembra-se?

2 comentários:

Anónimo disse...

Achei a revelação no minimo engraçada.
Há associações que de facto nos impulsionam a fazer descobertas, que nos fazem perder oportunidades de estar calados, por outro lado desplotar o sentido do humor através do insólito de uma aparente constatação lógica, tem uma qualquer dimensão lúdica e espontânea.
Isabel Seixas

Helena Sacadura Cabral disse...

Ai! Senhor Embaixador que me fez soltar uma enorme gargalhada. Se me lembro dessa reunião! E se me lembro dessa história que durante muito tempo serviu de repasto a quantos dela se lembram.
Aliás essa reunião ficou marcada no BP pela resposta que dei a um administrador - cujo nome por delicadeza, não cito -, ter achado que eu escolhera um hotel muito caro.
Com efeito, face à sibilina critica, respondi: "Senhor Doutor, apenas me limitei a escolher o seu hotel. Com uma vantagem para o Banco. É que não dormi nele acompanhada...".
Nunca teria chegado ao topo da carreira bancária, se essa alma moralista dos costumes, não tivesse caído em desgraça!
E se não tivesse tido como Governador esse homem admirável que se chama Silva Lopes, a quem um palmito de cara feminino nunca assustou.