segunda-feira, 9 de fevereiro de 2009

Scolari


Já se ouvem os "eu bem dizia!" dos detractores de Scolari, nesta sua intempestiva saída do Chelsea.

Lamento muito, mas não partilho dessa alegria. Também eu, como "treinador de bancada", discordei bastantes vezes das suas opções técnicas, de alguma tibieza nas substituições, de certas teimosias que talvez fossem despropositadas.

Mas pergunto: quem, para além de Otto Glória, ajudou a dar mais alegrias aos Portugueses espalhados pelo mundo?

Um abraço luso-brasileiro de solidariedade, Felipão!

6 comentários:

Henrique ANTUNES FERREIRA disse...

Cem por cento de acordo! O Queiroz que se cuide...

Paulo M. A. Martins disse...

E quem conseguiu que os Portugueses se habituassem a colocar nas janelas, varandas e não só as bandeiras verde-rubras?
Só um valente gaúcho, que dá pelo nome de Felipe Scolari!
E agora Felipão?
Forte abraço e até Florianópolis!

Victor Passos disse...

É penoso - embora eu, como português, agradeça - não sermos nós próprios a incentivar a portugalidade. Foi precisamente um brasileiro, de ascendência italiana, que nos veio mobilizar enquanto povo. Temos para com Scolari uma dívida que não tem preço. Que Portugal saiba retribuir, mesmo sabendo que Scolari foi bem pago para o desempenho da tarefa.
Um abraço para todos.
VP

Ricardo Marques disse...

De facto não so foi um incentivador do nosso patriotismo como é também agora uma vítima do próprio povo que o acarinhou durante a estadia na selecção.

Enfim, tudo de bom para ele de agora em diante. :)

PS:
Para o Sr. Francisco da Costa, proponho uma visita ao meu "cantinho", na medida em que é alimentado com crónicas de carácter algo humorístico, onde se fazem também comentários sobre a realidade em que vivemos. Contém também tops de relativo (e improvável) interesse, mas que mesmo assim o Sr. pode gostar :) Não custa dar a espreitadela :)

Cumprimentos! :D

Isabel Maria Ruivo Seixas Martins disse...

Considerando a possibilidade de negar a evidência do poder dos lideres carismáticos a tempo integral, do constatar o nem sempre nem nunca, a tentação de cumprimentar um Senhor que me fez sentir, a aura do despertar de sensibilidades, de forma holista, do futebol como forma de comunicação e expressão de emoções...Que nos permitiu sentir a intensidade do consenso, num fenómenos colectivo de entusiasmo.Apesar da minha incapacidade inata para diagnosticar o fora de jogo "o processo eu percebo", também Lhe devo um obrigado e... Às vezes... é só... Um não é por aí...
Muito gosto em conhecê-lo
Isabel Seixas

Rui M Santos disse...

É o eterno problema daqueles que encontram satisfação no infortúnio dos outros...
Felicidades " Sargentão" !!

Rui M Santos