terça-feira, 24 de fevereiro de 2009

Librairie Portugaise


O feriado de Carnaval e um belo sol de inverno deram tempo e ensejo para flanar (de "flâner", o que o meu Pai diria ser um desnecessário galicismo) por Paris. Nessa jornada, por definição, sem destino certo, fui dar à Librairie Portugaise.

Trata-se de um pequeno espaço, dotado de um riquíssimo acervo de obras ligadas a Portugal (mas também ao Brasil e aos restantes países lusófonos), com edições próprias mas com uma muito variada recolha de trabalhos de outros editores.

Haviam sido o Eduardo Prado Coelho, depois a Didas e o Luís Castro Mendes e, mais recentemente, a Manuela e o Nuno Júdice, quem me tinha falado de Michel Chandeigne e do seu trabalho em prol da difusão da língua e da cultura portuguesa em França.

Durante cerca de uma hora, tivemos aquela que terá sido a primeira de várias conversas. Dela resultou o meu compromisso de que o livro "Les Portugais à Paris - au fil des siècles & des arrondissements", a editar pela Chandeigne, vá ser lançado, talvez ainda em Março, na residência da Embaixada de Portugal em Paris.

E, desde já, recomendo vivamente uma visita à Librairie Portugaise.
E aqui fica, desde já, a publicidade plenamente assumida: 10, rue de Tournefort, 75005 Paris, tel. 01 43 36 34 37, tendo por sítio informático http://www.editions-chandeigne.com/, metro Monge, abertura 11-13 h, 14-19h, de 2ª a 6ª.

1 comentário:

Margarida disse...

http://criativemo-nos.blogspot.com/2009/02/promenade-sentimentale.html

A ligeireza romântica e soturna dessa melancolia tão lusa que nos invade em dias sem bússola.
Para os intervalos dos dias que contam para os outros; aqueles que contam para cada um de nós.
E 'flâner' é uma palavra tão esvoaçadora..., tão livre!
(espero que não entenda a referência/o link como uma audácia que possa, mesmo que de leve, melindrá-lo. Respeitosamente, tudo.)